Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desconsertos

por amorlíquido, em 18.02.21

Quando o silêncio da noite cai e o vento sopra baixinho, escutam-se os arranhões do vinil empoeirado, entre o pranto do contrabaixo e o fado do violino, num concerto em desconserto onde os corpos se consomem pela harmonia. 

mhgjhmb.jpg

(Lisboa, 6 de Fevereiro de 2019)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há 20 anos tudo mudou

por amorlíquido, em 17.02.21

Foi na sua primeira década que o mundo ganhou textura num retrato a sépia. A ingenuidade ressoou em todos os recantos e apenas as lágrimas souberam cair. A voz que todos os dias cantava permaneceu em silêncio, tal como o corpo que horas antes brincava de um lado para o outro sem conter a energia que se avolumava debaixo da pele. Um momento que entorpeceu todos os gestos, sem que a consciência do mundo lhe permitisse alcançar a compreensão. Somente a dor e o vazio gritavam por dentro, sem lugar para a culpa ou a revolta. Naquele dia, há vinte anos, tudo mudou. Um todo coeso que se estilhaçou em pedaços incontáveis, muitos dos quais ainda hoje continuam por agrupar. Há vinte anos que a ferida daquela noite se arrasta na visita pela vida, numa desconexão entre o que o corpo deseja e o que a mente, envergonhada, não permite. 

Hoje, permanece em falta a transparência das mãos que se abraçam. Não se conhece o cheiro da outra pele, a verdade no olhar, a magia de não querer nunca adormecer. As lágrimas entram sorrateiramente pela janela de quando em vez, como o vazio se disfarça com sonhos demasiado distantes. E a dor? Ai a dor perdeu-se na viagem até aqui! Conhecem-se a impotência na revolta assim como a indiferença no sentido de culpa. Não lhe importa o porquê de lhe ter acontecido, senão o como vai prosseguir apesar do que aconteceu. Há dias em que aqueles abraços ganham cor nos sorrisos que se imaginam ser cúmplices. Algum dia haverão de o ser. Pelo peso daquela lua, pelo saber que a felicidade há-de lhe pertencer. Algum dia. Porque naquele dia a praia esqueceu os castelos de areia num mar que, durante horas, gritou em desespero. Algum dia. E nesse dia, na calmaria do que passou, a alegria da aceitação e da espera trará o marasmo ao oceano e as marés mudarão no interior de si. 

woman wearing white spaghetti-strap top near body of water

(Fotografia: Marco De Waal)

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D